quinta-feira, 25 de abril de 2019

Super-resolução melhora gráficos de jogos antigos


Revisitar jogos antigos dos quais guardamos boas memórias pode ser uma experiência traumática quando somos confrontados com os gráficos de baixa resolução nos nossos monitores ou televisores Full HD ou 4K - mas os algoritmos de super-resolução como o ESRGAN estão a dar uma ajuda.

Se é certo que há jogos que são imunes à passagem do tempo e são imunes ao aumento de resolução, muitos outros não têm a mesma sorte. Jogos que nos impressionaram há 20 ou 30 anos, e nos quais passamos incontáveis horas colados ao ecrã, frequentemente tornam-se num duro confronto com a realidade caso sejam revisitados no presente. Coisas como "deve haver algum problema, os gráficos não eram assim tão maus" tornam-se frequentes, e infelizmente fazem também com que se torne menos provável que as novas gerações sequer queiram olhar para eles.

comunidades que se dedicam a "modernizar" esses jogos antigos aplicando-lhes texturas de maior qualidade através de "mods", mas isso é um processo bastante trabalhoso... a não ser que se recorra à ajuda dos próprios computadores para fazerem a maior parte do trabalho. Novos algoritmos de super-resolução com machine learning podem fazer autênticos milagres a melhorar a resolução de jogos antigos (e muitos outros conteúdos, como banda desenhada).




Pode ser que um dia este tipo de sistemas esteja incluído nos próprios jogos, de modo a que possam automaticamente criar texturas e modelos em resolução muito superior à original, para garantir a sua longevidade durante muitas décadas. Isto se assumirmos que daqui por mais 20 ou 40 anos ainda teremos jogos "à moda antiga", e não sejam todos fornecidos via streaming.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Iron Man VR põe-nos dentro do fato do Homem de Ferro


Iron Man VR é um dos jogos mais antecipados para PSVR, e que permitirá colocar-nos na pele de Tony Stark no interior do seu fato de Iron Man. É um dos jogos que desde logo assenta que nem uma luva à vertente VR, mas que tinha levantado algumas preocupações por ter um trailer acompanhado pela mensagem "not actual gameplay".

Felizmente, com algumas pessoas a já terem experimentado uma versão de desenvolvimento (a versão final só chega no final do ano), parece que as coisas estão muito bem encaminhadas, e que a experiência de ser o Homem de Ferro resulta de forma bastante agradável ao enfiar os óculos VR da Sony PS4.


terça-feira, 23 de abril de 2019

Strike Suit Zero chega à Switch


Depois de já ter feito as delícias dos jogadores na Xbox One, PS4 e PC, o Strike Suit Zero: Director’s Cut fica também disponível para a Nintendo Switch.

Mesmo ao gosto dos fãs dos Mecha e Gundam, Strike Suit Zero põe-nos aos controlos de uma poderosa nave espacial que se pode transformar num robot gigante sempre que for necessário. A versão Director’s Cut conta com gráficos melhorados, campanha revista, e novas missões que garantirão ainda mais horas de diversão.

Strike Suit Zero: Director’s Cut chega à Nintendo Switch a 2 de Maio.


domingo, 21 de abril de 2019

Os videojogos portugueses [parte 2]

Depois de termos espreitado os videojogos portugueses da era do ZX Spectrum, assistimos agora à fase que se seguiu, e da transição da disquete para os CD-ROMs. :)

sábado, 20 de abril de 2019

Falha no Origin permitia execução remota de comandos


A EA volta a estar à altura da má-fama conquistada por conta de se intrometer demasiado no sistema, com o seu Origina ter uma vulnerabilidade flagrante que dava a um atacante a possibilidade de executar o que desejasse no computador da vítima.

Quem desejar jogos da Electronic Arts tem obrigatoriamente que instalar o seu Origin, um programa que não só faz a gestão dos jogos como também adiciona processos extra a funcionarem permanentemente no computador dos utilizadores - mesmo que não se esteja a executar o Origin. Uma das coisas que também faz é interferir com o funcionamento dos browsers, adicionado o processamento de endereços origin:// e foi precisamente este o problema.

A EA não estava a validar ou limitar a capacidade do que podia ser feito através destes endereços, permitindo que um atacante os utilizasse para executar qualquer coisa que bem entendesse: de programas já existentes no computador, a scripts maliciosos que o pudessem infectar e dar-lhe total controlo sobre a máquina.


Tudo o que era necessário era que uma pessoa com o Origin instalado (em PC) clicasse num link malicioso; ou que visitasse uma página que tirasse partido de outras falhas para simular o click.

A Origin já corrigiu esta falha no início da semana, pelo que por agora os jogadores estarão a salvo... até ser encontrada a próxima. :P
Related Posts with Thumbnails